Rádio Buscar

Ministério da Saúde anuncia compra de 46 milhões de doses da CoronaVac

CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan junto à chinesa Sinovac

Cb image default
Divulgação

O Ministério da Saúde anunciou hoje que o governo federal vai comprar 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo Instituto Butantan, em São Paulo, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Life Science.

O UOL apurou que o custo será de R$ 2,6 bilhões, considerando-se a cotação do dólar de R$ 5,60. Para isso, o ministério anuncia que será editada uma nova MP (Medida Provisória) para disponibilizar crédito orçamentário de R$ 1,9 bilhão.

A vacina, segundo o ministro Eduardo Pazuello, será incluída no PNI (Plano Nacional de Imunizações). "Temos a expertise de todos os processos que envolvem esta logística, conquistada ao longo de 47 anos de PNI. As vacinas vão chegar aos brasileiros de todos os estados", disse o general.

O anúncio foi feito durante reunião com 24 governadores na tarde de hoje, em um fórum virtual.

As 46 milhões de doses devem ser entregues até dezembro de 2020, segundo o cronograma do Ministério da Saúde. Destas, seis milhões serão produzidas na China e entregues em frascos unidose; as 40 milhões restantes, estas em frascos multidoses, ficarão a cargo do Instituto Butantan.

O cronograma indica ainda que mais 15 milhões de frascos multidoses serão distribuídos até fevereiro de 2021. Já em junho de 2021, a previsão é que se entregue outros 40 milhões de frascos multidoses, todos produzidos pelo Butantan.

AstraZaneca terá produção a partir de abril

Além desta, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) deve começar, a partir de abril, a produção própria da vacina da AstraZeneca, desenvolvida junto à Universidade de Oxford (Reino Unido), e disponibilizar ao país até 165 milhões de doses ao longo do segundo semestre de 2021.

Como a Butantan-Sinovac e a AstraZeneca-Oxford estão em etapas avançadas de produção — ambas em fase 3, a última do processo, quando são testadas em milhares de pessoas —, a previsão é de que a vacinação comece em janeiro de 2021. Mas elas ainda devem ser liberadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e ter eficácia e segurança garantidas, como determina o Ministério da Saúde.

De acordo com a pasta, profissionais de saúde e grupos de risco deverão ser os primeiros a receber a vacina.

O Ministério da Saúde anunciou ainda que acompanha mais de 200 estudos referentes à produção das vacinas contra a covid-19 e não descarta novas compras, caso haja necessidade. A prioridade, segundo a pasta, é entregar à população brasileira, no menor tempo possível, "uma solução segura e eficaz para a doença".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.