Rádio Buscar

Papa Francisco descarta ordenar homens casados na Amazônia Philip Pullella

Cb image default
Divulgação

O papa Francisco, em uma das decisões mais significativas de seu pontificado, descartou nesta quarta-feira uma proposta de permitir que alguns homens casados fossem ordenados padres na região amazônica para aliviar uma escassez aguda de sacerdotes no local.

A recomendação, apresentada por bispos latino-americanos em 2019, assustou os conservadores da Igreja Católica Romana, profundamente polarizada entre seus 1,3 bilhão de fiéis, que temia que isso pudesse levar a uma mudança no compromisso secular de celibato entre os padres.

O papa deu sua resposta em uma exortação apostólica, três meses após ela ser aprovada por 128 votos a 41 em um sínodo de bispos católicos romanos.

O documento de 32 páginas desta quarta-feira nem sequer mencionou a proposta, que era para diáconos mais velhos casados que são líderes comprovados de comunidades católicas remotas e têm famílias estáveis para serem ordenados como sacerdotes.

Hesitantes, os conservadores temiam que, apesar de limitada, a mudança fosse um caminho que conduziria toda a Igreja a um sacerdócio passível a casamentos, motivo pelo qual classificaram a proposta como heresia.

Na exortação, o argentino de 82 anos escreveu que novos caminhos devem ser encontrados para encorajar mais padres a trabalhar na região remota e permitir papéis expandidos para leigos e diáconos permanentes, dos quais a Amazônia precisa "muito mais".

Como apenas os padres podem celebrar a missa, pessoas em ao menos 85% das aldeias amazônicas não podem participar da liturgia todas as semanas e algumas não o fazem há anos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.